Le Santé, Saúde

A RADIOTERAPIA É PARTE INTEGRANTE DO TRATAMENTO DOS TUMORES DE MAMA

4 de outubro de 2017

Normalmente, a paciente que recebe um diagnóstico de tumor de mama é submetida às três armas que rotineiramente se usam contra o câncer:  a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia.  Estes tratamentos são hoje muito mais seguros e efetivos que eram em épocas remotas.

Geralmente utilizada após a cirurgia, a radioterapia é um tratamento que emprega raios-X dirigidos às regiões onde havia o tumor ou onde há o risco dele retornar, tendo o tratamento a finalidade de impedir que o tumor reapareça.  O médico que consulta a paciente para programar a radioterapia é chamado de radioterapeuta ou radio-oncologista.  A delimitação exata da área de tratamento é realizada, atualmente, com técnicas bastante sofisticadas, que visam a englobar somente as regiões que realmente necessitam receber dose de radiação, preservando, assim, os tecidos normais.  As complicações que eram sobremaneira vistas nos tempos de outrora, quando as técnicas não eram refinadas, não ocorrem na atualidade ou ocorrem numa frequência e gravidade muito menores.  É comum ouvirmos histórias de alguns pacientes tratados com radioterapia no passado que apresentaram reações de pele severas, vermelhidão extrema, dor do local irradiado.  Em linhas gerais, isto faz parte do passado, posto que a radioterapia dos tumores de mama, atualmente, costuma ser um tratamento tranquilo.  As pacientes experimentam uma reação de pele, na maioria das vezes, caracterizada como vermelhidão leve.  Nos raros casos em que a reação é mais intensa, existem recursos, medicamentos, que promovem o rápido retorno à situação da pele normal.  Após o final do tratamento, as reações vão lentamente desaparecendo e a pele se recupera.

A radioterapia dos tumores de mama é um tratamento comumente administrado em várias aplicações, uma vez/dia, excetuando-se sábados, domingos e feriados.  As pacientes são tratadas em posição deitada num aparelho chamado Acelerador Linear e o tempo de permanência no mesmo a cada dia é breve, em torno de 10 a 15 minutos.  O número de aplicações é específico para cada caso e varia de 20 a 30 dias.

Sendo a preocupação com a qualidade de vida das pacientes durante o tratamento uma preocupação constante da equipe médica, nossa clínica está desenvolvendo protocolos de estudo para medir o impacto que os tratamentos exercem na qualidade de vida e, assim, aumentar o conforto das pacientes nesta etapa tão fundamental de sua terapia.

 

 

CARLOS LIMA JUNIOR
Médico Radioncologista na Clínica Radiologia São Sebastião
CRM SC 14673