Le Santé, Saúde

Tire suas dúvidas sobre a doação de sangue e se torne um doador

1 de dezembro de 2016

Porque devo doar sangue?

Diariamente muitas pessoas sofrem acidentes ou estão internadas por diferentes doenças e necessitam de transfusões sanguíneas. O sangue humano é fracionado no seus diversos componentes ou é processado nos seus diversos produtos e serve a vários pacientes e em muitas situações ele é imprescindível, não podendo ser substituído por outro produto. É um produto que não pode ser comprado e, portanto, depende da solidariedade das pessoas. Além disso, o sangue humano tem tipos diferentes e os hemocomponentes têm validade definida, sendo que num dia podemos tê-los e no outro, não.

Doar sangue é seguro?

Sim, doar sangue é seguro. Não existe nenhum risco de contrair uma doença infecciosa doando sangue. Entretanto, existe um pequeno risco de que o doador possa sentir algum mal-estar durante ou logo após a doação especialmente nas primeiras vezes que ele doar, porém, os serviços se preocupam com isto, observam e cuidam para que os doadores nada sintam ou se sentirem, para que sejam bem assistidos.

O material usado é mesmo seguro?

Sim, todo o material usado para a coleta de sangue é individual, descartável, apirogênico (não causa febre) e estéril.

Até que idade se pode doar sangue?

A atual legislação brasileira permite que se doe sangue até os 69 anos, 11 meses e 29 dias, porém a primeira doação deve ser feita até 60 anos, 11 meses e 29 dias. Este limite visa proteger a saúde do doador. No caso de doação autóloga (doar para você mesmo) não há limite de idade.

 

Por que os homens podem doar sangue a cada 2 meses e mulheres a cada 3 meses?

Devido a reposição dos estoques de ferro, que nas mulheres é mais demorada devido as perdas durante os ciclos menstruais.

Por que pessoas com Diabetes não podem doar sangue?

Essas pessoas, dependentes ou não da insulina, não podem doar sangue porque tem maior probabilidade de apresentar alterações do sistema cardiovascular que podem levar a complicações durante a doação de sangue.

Hiper ou hipotireoidismo impedem a doação?

O hipertireoidismo impede a doação. O Hipotireoidismo se não foi causado por Tireoidide de Hashimoto (doença auto-imune), está liberado para doação. Caso o doador não saiba informar, orientamos que traga uma declaração de seu endocrinologista informando que o mesmo não é portador de Tireodite de Hashimoto.

O que acontece com o sangue do doador?

O sangue doado, juntamente com as amostras colhidas para exames são encaminhados aos laboratórios. A bolsa de sangue coletada será fracionada (dividida) nos hemocomponentes e ficará aguardando o resultado do voto de auto-exclusão, tipagem sanguínea, pesquisa de anticorpos irregulares e a conclusão dos testes de triagem sorológica (HIV I e II; Hepatite B e C; HTLV I e II; Chagas e Sífilis), somente após o resultado dos exames negativos, é que o sangue será encaminhado para hospitais e clínicas para ser transfundido no paciente.

O sangue tem validade? Pode ser congelado?

Os hemocomponentes atualmente produzidos no Hemosc são conservados em soluções anti-coagulantes e preservantes que permitem a seguinte validade: concentrado de hemácias: varia entre 21 e 42 dias; concentrado de plaquetas: 5 dias e o plasma é congelado.

Quais são as etapas para doação de sangue? Quanto tempo leva?

 

O processo de doação de sangue engloba as seguintes etapas:

a) Cadastro de informações sobre o doador, como endereço, telefone, etc.;
b) Pré-triagem ( verificação da pressão arterial, pulso, temperatura corporal, peso e altura do doador e realização de teste para verificar se o mesmo tem o ou não anemia;
c) Triagem clínica: ocasião em que o doador responde algumas perguntas sobre a sua saúde atual, pregressa e sobre os seus hábitos de vida com o objetivo de verificar se a doação poderá trazer algum prejuízo para o doador ou para quem irá recebe o sangue. Na triagem clínica o doador também assina um termo de consentimento, autorizando a doação e garantindo que todas as informações prestadas por ele durante a entrevista, são verdadeiras.
d) Auto-exclusão confidencial: recurso que o doador pode utilizar para solicitar anonimamente que sejam feitos os exames, mas que o sangue doado não seja utilizado no tratamento das pessoas. Deve ser utilizado quando o doador, por motivos pessoais omite alguma informação durante a entrevista;
e) Coleta de sangue: ocasião em que o doador doa cerca de 450 ml de sangue + 50 ml (para realização de exames);
f) Lanche.
O tempo médio de todo esse processo de doação de sangue é de até 55 minutos.